Um contributo pastoral para a formação espiritual, litúrgica e técnico-musical dos jovens, tendo em vista uma participação plena, consciente, ativa e frutuosa na Liturgia.

Não podemos esquecer as expressões artísticas, como o teatro, a pintura e outras. «De importância muito peculiar se reveste a música, que representa um verdadeiro e próprio ambiente onde os jovens estão constantemente imersos, bem como uma cultura e uma linguagem capazes de suscitar emoções e moldar a identidade. A linguagem musical constitui também um recurso pastoral, que interpela de modo particular a liturgia e a sua renovação». O canto pode ser um grande estímulo no percurso dos jovens. Dizia Santo Agostinho: «Canta, mas caminha; cantando, alivia a fadiga, mas não te dês à preguiça; canta e caminha. (...) Tu, se progrides, caminhas. Mas progride no bem, progride na verdadeira fé, progride na vida santa. Canta e caminha».

— PAPA FRANCISCO, Cristo vive, n.º 226

Música e Liturgia - 3. Afinal, o que torna uma música apta para ser usada na Liturgia?

Uma música só é apta para usar na liturgia se ajudar a elevar o espírito dos fiéis a Deus, se fomentar na assembleia o espírito comunitário, se solenizar verdadeiramente as celebrações, enfim, se tem as características exigidas pela Igreja:

  • A santidade: o sentido da oração, da dignidade, da beleza.
  • A bondade das formas, que seja verdadeira arte, que tenha valor objetivo, isto é, que seja fiel às leis da linguagem musical.
  • A adesão aos textos, que ajude a enaltecer o texto.
  • Que seja fator de comunhão, que comova e exalte.

Já o Papa S. João Paulo II escrevia na sua Carta Apostólica sobre a santificação do domingo: “Há que ter a preocupação da qualidade, tanto no que se refere aos textos como às melodias, para que tudo aquilo que de criativo e original hoje se propõe, esteja de acordo com as disposições litúrgicas e seja digno da tradição eclesial que, em matéria de música sacra, se gloria de um património de valor inestimável.”

Sem dúvida que tendo pouca formação (por vezes, pensamos que não precisamos dela), facilmente cedemos à tentação do mais fácil e imediato. Recorre-se com frequência a música predominantemente rítmica, inspirada em modelos profanos, por vezes com textos muito pobres, e ignora-se por completo a proposta litúrgica. Ou então vão-se repetindo quase sempre os mesmos cânticos, por vezes desfasados do contexto celebrativo.

Há, felizmente, muitas comunidades com pessoas preocupadas em cantar os cânticos próprios de cada domingo. Hoje, podemos encontrar muitas e boas propostas na internet. Há publicações como, por exemplo, a revista Salicus. Também a Igreja Viva (5ª Feira no Diário do Minho) ajuda a uma escolha cuidada e criteriosa.

Por favor, que os grupos corais não cantem canções pop ou rock adaptadas, adulteradas, pegando na melodia e colocando outra letra. Esta atitude vai contra os direitos de autor e a mais elementar justiça.

Que não se usem canções de mensagem cristã na liturgia, porque foram feitas para acampamentos, encontros e convívios. Interpretemos sim e somente cânticos que foram escritos e compostos para a liturgia.

  • Visualizações: 110

Copyrights

Todos os conteúdos publicados neste website servem para a formação, celebração e vivência da fé dos jovens de forma gratuita. Os autores dos textos e dos cânticos autorizam a sua publicação conforme se encontram. Agradece-se que a divulgação destes conteúdos seja acompanhada do endereço deste website: www.cantaecaminha.pt.